Seguidores

segunda-feira, 29 de junho de 2009

"REDAÇÃO DE UMA ALUNA DA UFPE"


"Era a terceira vez que aquele substantivo e aquele artigo se encontravam no
elevador. Um substantivo masculino, com um aspecto plural, com alguns anos
bem vividos pelas preposições da vida. E o artigo era bem definido,
feminino, singular: era ainda novinha, mas com um maravilhoso predicado
nominal. Era ingênua, silábica, um pouco átona, até ao contrário dele: um
sujeito oculto, com todos os vícios de linguagem, fanáticos por leituras e
filmes ortográficos. O substantivo gostou dessa situação: os dois sozinhos,
num lugar sem ninguém ver e ouvir. E sem perder essa oportunidade, começou a
se insinuar, a perguntar, a conversar.

O artigo feminino deixou as reticências de lado, e permitiu esse pequeno
índice. De repente, o elevador pára, só com os dois lá dentro: ótimo, pensou
o substantivo, mais um bom motivo para provocar alguns sinônimos. Pouco
tempo depois, já estavam bem entre parênteses, quando o elevador recomeça a
se movimentar: só que em vez de descer, sobe e pára justamente no andar do
substantivo Ele usou de toda a sua flexão verbal, e entrou com ela em seu
aposto. Ligou o fonema, e ficaram alguns instantes em silêncio, ouvindo uma
fonética clássica, bem suave e gostosa. Prepararam uma sintaxe dupla para
ele e um hiato com gelo para ela. Ficaram conversando, sentados num
vocativo, quando ele começou outra vez a se insinuar. Ela foi deixando, ele
foi usando seu forte adjunto adverbial, e rapidamente chegaram a um
imperativo, todos os vocábulos diziam que iriam terminar num transitivo
direto.

Começaram a se aproximar, ela tremendo de vocabulário, e ele sentindo seu
ditongo crescente: se abraçaram, numa pontuação tão minúscula, que nem um
período simples passaria entre os dois. Estavam nessa ênclise quando ela
confessou que ainda era vírgula ele não perdeu o ritmo e sugeriu uma ou
outra soletrada em seu apóstrofo.

É claro que ela se deixou levar por essas palavras, estava totalmente
oxítona às vontades dele, e foram para o comum de dois gêneros. Ela
totalmente voz passiva, ele voz ativa. Entre beijos, carícias, parônimos e
substantivos, ele foi avançando cada vez mais: ficaram uns minutos nessa
próclise, e ele, com todo o seu predicativo do objeto, ia tomando conta.

Estavam na posição de primeira e segunda pessoa do singular, ela era um
perfeito agente da passiva, ele todo paroxítono, sentindo o pronome do seu
grande travessão forçando aquele hífen ainda singular. Nisso a porta abriu
repentinamente. Era o verbo auxiliar do edifício. Ele tinha percebido tudo,
e entrou dando conjunções e adjetivos nos dois, que se encolheram
gramaticalmente, cheios de preposições, locuções e exclamativas. Mas ao ver
aquele corpo jovem, numa acentuação tônica, ou melhor, subtônica, o verbo
auxiliar diminuiu seus advérbios e declarou o seu particípio na história.

Os dois se olharam, e viram que isso era melhor do que uma metáfora por todo
o edifício. O verbo auxiliar se entusiasmou, e mostrou o seu adjunto
adnominal. Que loucura, minha gente. Aquilo não era nem comparativo: era um
superlativo absoluto. Foi se aproximando dos dois, com aquela coisa
maiúscula, com aquele predicativo do sujeito apontado para seus objetos.

Foi chegando cada vez mais perto, comparando o ditongo do substantivo ao seu
tritongo, propondo claramente uma mesóclise-a-trois. Só que as condições
eram estas: enquanto abusava de um ditongo nasal, penetraria ao gerúndio do
substantivo, e culminaria com um complemento verbal no artigo feminino.

O substantivo, vendo que poderia se transformar num artigo indefinido depois
dessa, pensando em seu infinitivo, resolveu colocar um ponto final na
história: agarrou o verbo auxiliar pelo seu conectivo, jogou-o pela janela e
voltou ao seu trema, cada vez mais fiel à língua portuguesa, com o artigo
feminino colocado em conjunção coordenativa conclusiva".



domingo, 28 de junho de 2009

My Favorite Things

A LETRA ESTÁ ABAIXO !!!

MY FAVORITE THINGS - SOUND OF MUSIC


Raindrops on roses and whiskers on kittens
Bright copper kettles and warm woolen mittens
Brown paper packages tied up with strings
These are a few of my favourite things
Cream coloured ponnies and crisp apple streudles
Doorbells and slaybells and schnitzel with noodles
Wild geese that fly with the moon on their wings
These are a few of my favourite things
Girls in white dresses with blue satin sashes
Snowflakes that stay on my nose and eyelashes
Silver white winter that melts into spring
These are a few of my favourite things
When the dog bites, when the bee stings
When I'm feeling sad
I simply remember my favourite things
And then I don't feel so bad


_________________________

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Estate - Michel Petrucciani

Em tempos tão difíceis, nada como uma música para educar o nosso espírito para perceber mais e melhor as dádivas que o mundo nos oferece !
Um brinde ao Verão (Estate) !!

terça-feira, 23 de junho de 2009

BRASIL POR LAGUARDIA

Blogger Laguardia disse...

Prezados amigos
Há muito venho lendo e vendo o que tem acontecido no Brasil com relação aos nossos políticos. Não passa um dia sem que haja uma denuncia de atos de corrupção, falta de ética, e imoralidade por parte de nossos governantes.
O Presidente Lula recentemente em defesa do Senador José Sarney definiu que no Brasil existem dois tipos de cidadãos. Aqueles para os quais não existe lei ou Constituição e os demais que estão submetidos aos rigores da lei.
Aqueles que sofrem nas filas do SUS, ficando internados em macas nos corredores dos hospitais e aqueles que se tratam nos melhores hospitais do país com a melhor equipe médica. Em ambos os casos o contribuinte paga.
É chegada a hora de parar de reclamar e partir para a ação antes que seja tarde demais.
Minha proposta e que comecemos em conjunto a pensar numa ação coordenada para o dia 7 de setembro de 2009. É o dia em que comemoramos a independência de nossa pátria, a libertação de nosso povo. Não há momento melhor do que este para um protesto contra a pouca vergonha, os desmandos do governo e o fato de que pouco a pouco estamos perdendo nossa liberdade e democracia.
Sugestões para o email laguardia,luizf@gmail.com

segunda-feira, 22 de junho de 2009

NELSON CRUZ


Para quem quiser conhecer melhor o extraordinário trabalho do Nelson Cruz,
sugiro os seguintes endereços virtuais :




Era o que eu tinha para começar essa semana maravilhosa !!!!



domingo, 21 de junho de 2009

Nelson Cruz

GRANDE NELSON CRUZ !!!!
UM DOS MAIORES ILUSTRADORES BRASILEIROS !!!
ESTÁ ENTRE OS MELHORES DO MUNDO !!!!
PARABENS NELSON !!!

quarta-feira, 17 de junho de 2009

LETRA R - POR SCINTILLA


Revolução:

Ritos Revelados?

Rumos Roubados?

Religiões Ritualizadas?

Revendo Rotas!

Rivalizando Réus!

Romancear reações revividas...

Reatar redes

Rumar remando!

Regar Rosas!

Revisar romance?

Ressuscitar regências regiamente revistadas?

Revisitar reis!

Reanimar rostos!

Remanejar receios!

Romper rios revoltosos!

Retirar rochas...

Replantar, remendar, remediar?

Relaxar rodeios!

Revigorar resultados reais!

Recreação, revelação

Resumindo:

RISOS RUBORIZADOS


(50 Palavras)

terça-feira, 16 de junho de 2009

LETRA C


Confusão !
Coisas comuns ?
Clarividências cotidianas ?
Construir controles ?
Conduzir certezas ?
Consertar Castelos ?
Critérios censuráveis ?
Cadê criança calada ?
Catequese cativante ?
Celeuma celestial ?
Catástrofe cerebral ?
Calor corporal ?
Chute certeiro ?
Centelha coletiva ?
Comedimento Comadre ?
Contagiante Candura !
Concordo consumir contos cumulados com cronicas curtinhas.
Cantiga comprida !
Caminhada cansativa ?
Calvário calmo ?
Contratempo, correria...
Conclusão :
Custoso Coração !

(48 palavras)

segunda-feira, 15 de junho de 2009

BORIS PASTERNAK (1890-1960)

Ser famoso...


Ser famoso não é bonito.
Não nos torna mais criativos.
São dispensáveis os arquivos.
Um manuscrito é só um escrito.


O fim da arte é doar somente.
Não são os louros nem as loas.
Constrange a nós, pobres pessoas,
Estar na boca de toda a gente.


Cumpre viver sem impostura.
Viver até os últimos passos.
Aprender a amar os espaços
E a ouvir o som da voz futura.


Convém deixar brancos à beira
Não do papel, mas do destino,
E nesses vãos deixar inscritos
Capítulos da vida inteira.


Apagar-se no anonimato,
Ocultando nossa passagem
Pela vida, como a paisagem
Oculta a nuvem com recato.


Alguns seguirão, passo a passo,
As pegadas do teu passar,
Mas tu não deves separar
Teu sucesso do teu fracasso.


Não deves renunciar a um mínimo
pedaço do teu ser,
Só estar vivo e permanecer
Vivo, e viver até o fim.


(1956)


sábado, 13 de junho de 2009

VINICIUS DE MORAES (1913-1980)

E COMO HOJE É SÁBADO SEGUE O NOSSO QUERIDÍSSIMO VINICIUS DE MORAES !


O dia da criação

Macho e fêmea os criou.
Gênese, 1, 27

I


Hoje é sábado, amanhã é domingo
A vida vem em ondas, como o mar
Os bondes andam em cima dos trilhos
E Nosso Senhor Jesus Cristo morreu na cruz para nos salvar.


Hoje é sábado, amanhã é domingo
Não há nada como o tempo para passar
Foi muita bondade de Nosso Senhor Jesus Cristo
Mas por via das dúvidas livrai-nos meu Deus de todo mal.


Hoje é sábado, amanhã é domingo
Amanhã não gosta de ver ninguém bem
Hoje é que é o dia do presente
O dia é sábado.


Impossível fugir a essa dura realidade
Neste momento todos os bares estão repletos de homens vazios
Todos os namorados estão de mãos entrelaçadas
Todos os maridos estão funcionando regularmente
Todas as mulheres estão atentas
Porque hoje é sábado.


II



Neste momento há um casamento
Porque hoje é sábado
Hoje há um divórcio e um violamento
Porque hoje é sábado
Há um rico que se mata
Porque hoje é sábado
Há um incesto e uma regata
Porque hoje é sábado
Há um espetáculo de gala
Porque hoje é sábado
Há uma mulher que apanha e cala
Porque hoje é sábado
Há um renovar-se de esperanças
Porque hoje é sábado
Há uma profunda discordância
Porque hoje é sábado
Há um sedutor que tomba morto
Porque hoje é sábado
Há um grande espírito-de-porco
Porque hoje é sábado
Há uma mulher que vira homem
Porque hoje é sábado
Há criançinhas que não comem
Porque hoje é sábado
Há um piquenique de políticos
Porque hoje é sábado
Há um grande acréscimo de sífilis
Porque hoje é sábado
Há um ariano e uma mulata
Porque hoje é sábado
Há uma tensão inusitada
Porque hoje é sábado
Há adolescências seminuas
Porque hoje é sábado
Há um vampiro pelas ruas
Porque hoje é sábado
Há um grande aumento no consumo
Porque hoje é sábado
Há um noivo louco de ciúmes
Porque hoje é sábado
Há um garden-party na cadeia
Porque hoje é sábado
Há uma impassível lua cheia
Porque hoje é sábado
Há damas de todas as classes
Porque hoje é sábado
Umas difíceis, outras fáceis
Porque hoje é sábado
Há um beber e um dar sem conta
Porque hoje é sábado
Há uma infeliz que vai de tonta
Porque hoje é sábado
Há um padre passeando à paisana
Porque hoje é sábado
Há um frenesi de dar banana
Porque hoje é sábado
Há a sensação angustiante
Porque hoje é sábado
De uma mulher dentro de um homem
Porque hoje é sábado
Há uma comemoração fantástica
Porque hoje é sábado
Da primeira cirurgia plástica
Porque hoje é sábado
E dando os trâmites por findos
Porque hoje é sábado
Há a perspectiva do domingo
Porque hoje é sábado


III


Por todas essas razões deverias ter sido riscado do Livro das Origens,
ó Sexto Dia da Criação.
De fato, depois da Ouverture do Fiat e da divisão de luzes e trevas
E depois, da separação das águas, e depois, da fecundação da terra
E depois, da gênese dos peixes e das aves e dos animais da terra
Melhor fora que o Senhor das Esferas tivesse descansado.
Na verdade, o homem não era necessário
Nem tu, mulher, ser vegetal, dona do abismo, que queres como
as plantas, imovelmente e nunca saciada
Tu que carregas no meio de ti o vórtice supremo da paixão.
Mal procedeu o Senhor em não descansar durante os dois últimos dias
Trinta séculos lutou a humanidade pela semana inglesa
Descansasse o Senhor e simplesmente não existiríamos
Seríamos talvez pólos infinitamente pequenos de partículas cósmicas
em queda invisível na
terra.
Não viveríamos da degola dos animais e da asfixia dos peixes
Não seríamos paridos em dor nem suaríamos o pão nosso de cada dia
Não sofreríamos males de amor nem desejaríamos a mulher do próximo
Não teríamos escola, serviço militar, casamento civil, imposto sobre a renda
e missa de
sétimo dia.
Seria a indizível beleza e harmonia do plano verde das terras e das
águas em núpcias
A paz e o poder maior das plantas e dos astros em colóquio
A pureza maior do instinto dos peixes, das aves e dos animais em [cópula.
Ao revés, precisamos ser lógicos, freqüentemente dogmáticos
Precisamos encarar o problema das colocações morais e estéticas
Ser sociais, cultivar hábitos, rir sem vontade e até praticar amor sem vontade
Tudo isso porque o Senhor cismou em não descansar no Sexto Dia e [sim no Sétimo
E para não ficar com as vastas mãos abanando
Resolveu fazer o homem à sua imagem e semelhança
Possivelmente, isto é, muito provavelmente
Porque era sábado.

domingo, 7 de junho de 2009

GONÇALO IVO, PINTOR


Existem artistas que são primordiais em nossa formação. 
Quanto melhor a qualidade, melhor o aprendizado. 
Nessa esteira  de competências coloco meu amigo e irmão Gonçalo Ivo.
Pintor Fundamental dentro da Arte Pictórica Brasileira, e por extensão da Arte Mundial.
O domínio do fazer é soberano e incontestável, poucos conseguem criar cores e combinações com tanta maestria. 
Uma genialidade que tem um pequeno segredo, é exercitada diariamente.
Descobrindo na manha das manhãs, novas formas de se expressar. 
Incrivelmente com as mesmas cores que nos legaram Giotto, Da Vinci e Botticelli (apenas para ficar nos Italianos).
Visitem e revisitem o site dele, um verdadeiro oásis nessas carências visuais em que muitas vezes nos encontramos. 
Parabens Gonçalo !!!!!
www.goncaloivo.com.br


quinta-feira, 4 de junho de 2009

2ª FEIRA LITERÁRIA DE FORMOSA


Chegando ao final, podemos comemorar com louvor, afinal foram dias de felicidades.
Se percebe claramente a vontade que existe no ar, para se aperfeiçoar.
Maravilhosas as inúmeras participações dos Escritores, dos Professores e dos alunos de uma forma geral. Agora é continuar o processo de conhecimento, seja através dos livros, seja através dos contatos. 
Da minha parte me coloco a disposição de todos para o que for preciso, estendendo o meu agradecimento a todos que contribuíram para a existência dessa Extraordinária 2ª Feira Literária de Formosa.

terça-feira, 2 de junho de 2009

2ª FEIRA LITERÁRIA DE FORMOSA


Acabei de chegar no hotel. A palestra foi muito boa.
As dúvidas predominaram em como acessar livrosde forma gratuita.
Existem alguns sites:

1. Para as nossas obras Brasileiras
www.dominiopublico.gov.br

2. Para obras Internacionais.
www.gutemberg.org

3.  Para os 100 livros Internacionais mais baixados.
 www.gutemberg.org/browse/scores/top

4. Para Biblia em 50 idiomas.
www.biblegateway.com/versions/

5. Para obras em espanhol.
www.cervantesvirtual.com

6. Para obras em Italiano
www.bibliotecaitaliana.it

São inúmeras as possibilidades. Se alguém quiser saber algo mais, ou mesmo como caminhar para descobrir esses segredos de hoje, aproveitem para perguntar, pois tenho certeza que amanhã não terá mais graça. Qualquer dúvida estou as ordens. É só me escrever, que respondo.
Aproveitem e divulguem !



segunda-feira, 1 de junho de 2009

FORMOSA - GOIÁS


Hoje se inicia a II Feira Literária de Formosa no Estado de Goiás.
Estarei participando como palestrante em quatro momentos.

1. terça 2 de junho 21 horas  
INTERNET E LITERATURA

2. quarta  3 de junho 10 horas
INTERNET E LITERATURA

3. quarta 3 de junho 15 horas
INTERNET E LITERATURA

4. quarta 3 de junho 20 horas
LITERATURA

São palestras que pretendo mostrar o caminho gratuito que a Internet pode oferecer com relação a Literatura.
É imprecindível veicular esses novos conhecimentos para que possamos correr atrás da diferença cultural que temos em relação a outros Países. 
Logo colocarei mais informações aqui no Blog.
Enquanto isso,vivamos Formosa !!!!.