Seguidores

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

BLADE RUNNER ...



I've seen things you people wouldn't believe. 

Attack ships on fire off the shoulder of Orion.

I watched C-beams glitter in the dark, 

near the Tannhauser gate. 

All those moments will be lost in time... 

like tears in rain... 

Time to die...

ME & THE STAR-SPANGLED BANNER !!!



Oh, say, can you see, by the dawn's early light
What so proudly we hailed at the twilight's last gleaming?
Whose broad stripes and bright stars, through the perilous fight,
O 'er the ramparts we watched, were so gallantly streaming.
And the rockets` red glare, the bombs bursting in air,
Gave proof through the night that our flag was still there.
Oh, say, does that star-spangled banner yet wave
O'er the land of the free and the home of the brave??
II
On the shore dimly seen, through the mists of the deep,
Where the foe's haughty host in dread silence reposes,
What is that which the breeze, o'er the towering steep,
As it fitfully blows, half conceals, half discloses?
Now it catches the gleam of the morning's first beam,
In fully glory reflected, now shines on the stream:
'Tis the star-spangled banner: oh, long may it wave
O'er the land of the free and the home of the brave.
III
And where is that band who so vauntingly swore
That the havoc of war and the battle's confusion
A home and a country should leave us no more?
Their blood has vanished out their foul footstep's pollution.
No refuge could save the hireling and slave
From the terror of flight, or the gloom of the grave:
And the star-spangled banner in triumph doth wave
O'er the land of the free and the home of the brave!
IV
Oh, thus be it ever when freemen shall stand.
Between their loved home and the war's desolation!
Blest with victory and peace, may the heaven-rescued land
Praise the Power that has made and preserved us a nation.
Then conquer we must, when our cause it is just.
And this be our motto: "In God is our trust".
And the star-spangled banner in triumph shall wave
O'er the land of the free and the home of the brave.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

MARIA LUÍSA ADÃES !!!


Uma Noite de Agosto

                                                       
Numa noite de Agosto adormeci
Acordei com uma luz que vibrava
E um céu que cantava
E um mar que murmurava

E um barco se aproximava e ficava

Balançando no ritmo do mar

Olhei e ninguém estava

E adorei o olhar
Com que olhei

A Lua se mostrava

Estrelas corriam apressadas
E o céu se enchia de murmúrios
De poetas que cantavam.

Entrei no barco e remei

E olhei com aquele olhar que amei
E vibrei sem te reconhecer

Uma escada descia do Cimo

Com pétalas de rosas espalhadas
Alguém esperava...

Subi e não entrei

E não representei
A vida
No palco que se apresentava.

Me amedrontei

E desci
E de novo olhei
A luz que deslumbrava,

Mas não fiquei

Na quietude que me rodeava!

Queria libertar-me da Poesia

E das Palavras que ficam por dizer
E romper o tempo e vencer!

Falei contigo sem te ver

Entrei no barco que me esperava
E balançava...
Nas pequenas ondas que se formavam

E voltei

Sem saber onde estava!

Maria Luísa adães

terça-feira, 29 de outubro de 2013

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Maybe ... When ...






Tudo passa pela Música ...
Tudo passa pelas Paisagens ...

Tudo passa pelo Movimento ...
Tudo passa pelos Sonhos ...

FAUST (PARTE 2) DI GOETHE


Fragmento de um Quadro Gonçalo Ivo

MORMORIO

Sono due imbroglioni - e se la intendono
Il Mago e il Matto - prossimi al trono ...

Una vecchissima - saputa solfa
Il Matto ispira, - il Savio parla ...

GEMURMEL

Zwei Schelme sinds - Verstehn sich schon
Narr und Phantast - So nah dem Thron

Ein mattgesungen - Alt Gedicht
Der Tor bläst ein - Der Weise spricht



pag. 453,454
Traduzione Franco Fortini
@1970 Arnoldo Mondadori Editore S.p.A., Milano

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

CROSSING MISSISSIPPI WITH VIVALDI !!!





VIVALDI FOI O PRIMEIRO CLÁSSICO
QUE OUVI, E A PARTIR DAÍ ...
ELE APARECE E DESAPARECE...
RECENTEMENTE CONHECI AS ÓPERAS, 
QUE SEGUNDO A WIKEPEDIA SÃO :

729Ottone in villaDomenico LalliMay 1713Vicenza, Teatro di Piazza
727Orlando finto pazzoGrazio BraccioliNovember 1714Venice, Teatro Sant'Angelo
819Orlando furioso1714Venice, Teatro San Angelopart survives in manuscript, parts later reworked in RV 728 q.v.
724Nerone fatto CesareMatteo NorisCarnival 1715Venice, Teatro Sant’Angelopasticcio (Francesco Gasparini, Giuseppe Maria Orlandini, Carlo Francesco Pollarolo, Vivaldi)
706La costanza trionfante degl'amori e de gl'odiiAntonio MarchiCarnival 1716Venice, Teatro San Moisèreworked as Artabano, re dei Parti (RV 701) in 1718, then as Doriclea (RV 708) in 1732
700Arsilda, regina di PontoDomenico Lalli27 or 28 October 1716Venice, Teatro Sant'Angelo
719L'incoronazione di DarioAdriano Morselli23 January 1717Venice, Teatro Sant'Angelo
737TietebergaAntonio Maria Lucchini16 October 1717Venice, Teatro San Moisè
Anh 58Il vinto trionfante del vincitoreAntonio MarchiAutumn 1717Venice, Teatro Sant’Angelopasticcio, possibly with some music by Vivaldi
701Artabano, re dei PartiAntonio MarchiCarnival 1718Venice, Teatro San Moisèreworking of La costanza trionfante (RV 706)
699Armida al campo d'EgittoGiovanni PalazziCarnival 1718Venice, Teatro San Moisè. Further performances in Venice on 26 December 1730 and 12 February 1738.[1]reworked as Gl’inganni per vendetta (RV 720) in 1720
732ScanderbegAntonio Salvi22 June 1718FlorenceTeatro della Pergola
736TeuzzoneApostolo Zeno28 December 1718Mantua, Teatro Arciducale
738Tito ManlioMatteo NorisCarnival 1719Mantua, Teatro Arciducale
778Tito ManlioMatteo NorisCarnival 1720Rome, Teatro della Pacepasticcio. Act III only by Vivaldi.
704La Candace, o siano Li veri amiciFrancesco Silvani and Domenico LalliCarnival 1720Mantua, Teatro Arciducale
720Gl’inganni per vendettaGiovanni Palazzi or Domenico Lalli1720Vicenza, Teatro delle Grazie[2][3]reworking of Armida al campo d’Egitto (RV 699)
739La verità in cimentoGiovanni Palazzi26 October (?) 1720Venice, Teatro Sant'Angelo
715Filippo re di MacedoniaDomenico Lalli27 December 1720Venice, Teatro Sant’Angelopasticcio
734La SilviaEnrico Bissari28 August 1721Milan, Reggio Ducale
710Ercole su'l TermodonteGiacomo Francesco BussaniJanuary 1723Rome, Teatro Capranica
717GiustinoNicolò Beregan / Pietro PariatiCarnival 1724Rome, Teatro Capranica
740La virtù trionfante dell’amore, e dell’odio, overo Il TigraneFrancesco SilvaniCarnival 1724Rome, Teatro Capranicapasticcio (only Act II by Vivaldi)
721L’inganno trionfante in amoreMatteo NorisAutumn 1725Venice, Teatro Sant'Angelo
707CunegondaAgostino Piovene29 January 1726Venice, Teatro Sant'Angelo
712La fede tradita e vendicataFrancesco Silvani16 February 1726Venice, Teatro Sant'Angelo
Anh 55La tirannia castigataFrancesco SilvaniCarnival 1726PragueSporck Theater
709Dorilla in TempeAntonio Maria Lucchini9 November 1726Venice, Teatro Sant’Angelopasticcio
722IpermestraAntonio Salvi25 January 1727Florence, Teatro della Pergola
711FarnaceAntonio Maria Lucchini10 February 1727Venice, Teatro Sant'Angelo
735Siroe, re di PersiaMetastasioAscension 1727Reggio Emilia, Teatro Pubblico
728Orlando furiosoGrazio BraccioliAutumn 1727Venice, Teatro Sant'Angelo
730Rosilena ed OrontaGiovanni PalazziCarnival 1728Venice, Teatro Sant'Angelo
702AtenaideApostolo Zeno29 December 1728Florence, Teatro della Pergola
697ArgippoDomenico LalliAutumn 1730Prague, Sporck Theaterseven arias were rediscovered inRegensburg by Ondrej Macek
696Alvilda regina de' GotiGiulio Cesare CorradiSpring 1731Prague, Sporck Theateronly some arias by Vivaldi, probably from other operas
733SemiramideFrancesco Silvani and Domenico LalliCarnival 1731Mantua, Teatro Arciducale
714La fida ninfaFrancesco ScipioneCarnival 1732Verona, Teatro Filarmonico
708DoricleaAntonio Marchi1732Prague, Sporck Theaterreworking of La costanza trionfante (RV 706)
723MotezumaGirolamo Alvise Giusti14 November 1733Venice, Teatro Sant'Angelo
725L'OlimpiadeMetastasio17 February 1734Venice, Teatro Sant'Angelo
695L’AdelaideAntonio SalviCarnival 1735Verona, Teatro Filarmonico
703Il Tamerlano (Il Bajazet)Agostino PioveneCarnival 1735Verona, Teatro Filarmonicopasticcio
718GriseldaApostolo Zeno /Carlo Goldoni18 May 1735Venice, Teatro San Samuele
698AristideCarlo GoldoniAutumn 1735Venice, Teatro San Samuele
716Ginevra principessa di ScoziaAntonio Salvi17 January 1736Florence, Teatro della Pergola
705Catone in UticaMetastasio26 May 1737Verona, Teatro Filarmonico
726L'oracolo in MesseniaApostolo Zeno30 December 1737Venice, Teatro Sant'Angelo
777Il giorno felice?1737Venice
731Rosmira (Rosmira fedele)Silvio Stampiglia27 January 1738Venice, Teatro Sant'Angelopasticcio arranged by Vivaldi of music byHassePergolesiHandel, etc.)
713FeraspeFrancesco Silvani1739Venice, Teatro Sant'Angelo

NATASHA ROMANOVA !!!


Natasha sabia que é .....
sempre difícil escolher...
o melhor caminho...

Errar é fácil ...
Todos sabemos...

Porem demorar para agir...
pode se tornar o maior erro !!!

SEMPRE VALE A PENA !!!



Sempre vale a pena !!!..

Algumas pessoas sempre farão parte de nossas vidas

Independentemente do caminho que tomam ...

ou da forma que pensam ...

Simplesmente serão nossos companheiros nessa longa caminhada..

Muita Paciência e Sabedoria.... 

para entender e compreender o caminhar do outro ...

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

NEW MEXICO WITH HANDEL !!!




NEW MEXICO WITH HÄNDEL !!!

ASSIM SE APRECIA UMA VIAGEM ....

PRETENDO REALIZAR PEQUENOS VIDEOS....

E ASSIM QUEM SABE CONSTRUIR 

UM DIÁLOGO VISUAL !!!

CARTA RECEBIDA DE MARIA LUÍSA !!!




Bravo Marco

E tudo fica mais belo
mais sonante
mais cantante
no espaço brilhante
aberto pelo seu sentir
Ao poeta errante...

Sem terra
sem entendimento
destroçado pelos seus sentimentos

O poeta chora
o poeta ri
o poeta representa seu fado
nas pontes frágeis
de sua poesia perdida, esquecida

E encontra alguém
de nome Marco
que o acarinha
com seu sentimento
sua dor e sua alegria

E o traz ao cimo
docemente...

Benditos aqueles a quem amo
E a quem amei!

Gracias,

Maria Luísa

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

MARIA LUISA ADÃES !!!


Segredo

Tenho um segredo             
Para te contar

E uma noite
Para te dedicar

Pressinto que caminhas
Junto a mim

Sabíamos                                             
Que tudo isto acontecia

Mas não sabíamos
Viver o sonho em agonia

Eu mudei
Aceitei a vida e o meu destino

Eu fui poeta no silêncio de Deuses
E gravei versos nas pedras que encontrei

E tu foste o amor único
Que sonhei

Quanto te amei
No calor tropical
Absorta quente e sensual

Converti-me em ti
No jardim abandonado
Por mim

E nada contei 
E o poeta não tem tempo
E não há tempo no tempo!

Maria Luísa Adães

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

ANTONIO MACHADO (1875-1939)





XLIV
Todo pasa y todo queda,
pero lo nuestro es pasar,
pasar haciendo caminos,
caminos sobre la mar.

I

Nunca perseguí la gloria,
ni dejar en la memoria
de los hombres mi canción;
yo amo los mundos sutiles,
ingrávidos y gentiles
como pompas de jabón.
Me gusta verlos pintarse
de sol y grana, volar
bajo el cielo azul, temblar
súbitamente y quebrarse.

XXIX

Caminante, son tus huellas
el camino, y nada más;
caminante, no hay camino,
se hace camino al andar.
Al andar se hace camino,
y al volver la vista atrás
se ve la senda que nunca
se ha de volver a pisar.
Caminante, no hay camino,
sino estelas en la mar.


NA OBRA ...

FONTE : http://es.wikipedia.org/wiki/Antonio_Machado

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

GOETHE (1749-1832) PARTE 3



" Talvez ninguém tenha apresentado de modo tão magnífico o primeiro grande enlace do querer e dever no caráter individual como Shakespeare fez. 

A pessoa, considerada a partir do caráter, deve: 
ela é limitada, determinada a algo particular; 
mas como ser humano ela quer: 
é ilimitada e exige o universal. "

Trecho das págs 44 e 45, extraído do Livro :
Escritos sobre Literatura de Goethe.
tradução de Pedro Süssekind

Mozart: Piano concerto n. No. 21 in C major, K.467 Pollini-Muti

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Augusto dos Anjos (1884-1914)





Versos Íntimos

Vês! Ninguém assistiu ao formidável

Enterro de tua última quimera.

Somente a Ingratidão - esta pantera -

Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!

O Homem, que, nesta terra miserável,

Mora, entre feras, sente inevitável

Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!

O beijo, amigo, é a véspera do escarro,

A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,

Apedreja essa mão vil que te afaga,

Escarra nessa boca que te beija!

PAU D'ARCO, 1901
LIVRO : EU E OUTRAS POESIAS 

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

MARIA LUÍSA ADÃES - QUANTOS ...




QUANTOS


Quantos vêm na procura da ilusão
Quantos se encantam nessa ilusão
Quanto se retratam de forma ambígua
Quantos se mostram como não são

Quantos falam de alegrias sonhadas

Quantos falam de vidas amarguradas
Quantos suplicam a magia tolerada
Quantos repudiam a crueza encontrada.


Quantos aconselham e outros aceitam

Quantos se deleitam no canto que embala
Das desilusões desfeitas e queimadas 
E dizem coisas que não sentem e mentem.


Quanto o encontro da palavra não é fácil

E as tornar banais à força de as usar
Nem pensar
E as intelectualizar, muito menos.


Elas caminham em segredo

Sem qualquer medo
E se deixam apanhar.


Tanta coisa que não ouviu

E devia ter ouvido e sentido
Não por mim, mas por ti.


O triste é verdadeiro

Misterioso e sublime
Quando entra no Passado
E caminha estradas do Presente.

Deixa que estas palavras se fixem no Espaço

Ultrapassem pensamentos
Nebulosos e mundanos
E eu possa ter a alegria imensa de viver...

Que não tenho!...


Maria Luísa

DO BLOG :
http://os7degraus.blogspot.com