Seguidores

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

GILBERTO MENDONÇA TELES - ARABISCOS



GILBERTO MENDONÇA TELES - ARABISCOS (INÉDITO)

A.C /D.C.

antes do caboclo                 depois do cafuso
antes da calúnia                  depois do calote
antes da cabala                   depois da cobiça
antes do covarde                depois do coveiro
antes do crítico                    depois do cretino
antes do coiteiro                 depois do coitado
antes do cadélio                  depois do cachórrio
antes do canhoto               depois do coceira
antes do capeta                  depois do cambeta
antes do cacete                  depois do cacoete
antes do capanga               depois do capenga
antes do camelo                 depois do camulo
antes do confrade              depois do confraude
Ad petendam pluviam

http://pt.wikipedia.org/wiki/Gilberto_Mendonça_Teles

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

SABER ESPERAR...



Saber esperar...
para viver melhor...
Todos os dias encontramos...
oportunidades boas e ruins..
algumas escolhemos sem saber...
outras com muito conhecimento...
Certas ou erradas...
elas passam a fazer parte...
das nossas vidas...
Portanto sem pressa
de decidir...
O melhor esta a caminho...,
ou segundo alguns...
no caminho...

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Construção de um Sonho !!!!


Descubro que a construção de um Sonho...
pode passar por uma ponte ...

As vezes é preciso atravessar..
 algum Rio, algum Lago, 
ou quem sabe ...
algum Oceano qualquer !!!

Precisamos aprender ...
a encontrar essas pontes ...


segunda-feira, 25 de novembro de 2013

FAUSTO MELOTTI (1901-1986)


Felicidade maior …
é poder aprender sempre …

Arte é aprendizado…

Conhecer Fausto Melotti…
Um Universo a descobrir !!!

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

LAO TZU - TAO TE CHING - 66 (parte 2/2)


Thus the sage is positioned above
And the people do not feel oppressed.
He is in front and they feel nothing wrong.
Therefore they like to push him front 
and never resent him.

Since he does not contend
No one can contend with him.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

LAO TZU - TAO TE CHING - 66 (PART 1/2)


The reason the river and sea can be regarded as
The rulers of all the valley streams
Is because of their being below them.
Therefore they can be their rulers.
So if you want to be over people
You must speak humbly to them.
If you want to lead them
You must place yourself behind them.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Firenze !!!



Sempre Inesquecível !!!
Poder sonhar !!!
Poder viajar !!!
Meu desejo para todos !!!
Forte Abraço !!!




terça-feira, 19 de novembro de 2013

LAO TZU - TAO TE CHING - 33


If you understand others you are smart.

If you understand yourself you are illuminated.

If you overcome others you are powerful.

If you overcome yourself you have strength.

If you know how to be satisfied you are rich.

If you can act with vigor, you have a will.

If you don't lose your objectives 
you can be long-lasting.

If you die without loss, you are eternal.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Santa Fé, New Mexico !!!


Santa Fé é Extraordinária !!!
Se hoje tivesse que escolher 
uma cidade Imperdível …
Ela ganharia com muita folga …
Imaginem olhar par o céu 
e encontrar esse Azul 
com certeza, 
passa a ser algo 
completamente Inesquecível !!!
Obrigado meu Deus …
por ter me dado mais essa benção !!!

domingo, 17 de novembro de 2013

AS EARLY AS 1950, ENRICO FERMI ….


"As early as 1950, Enrico Fermi asked "Where is 

everybody? - the Fermi-Hart paradox. He noted that

 there are many suns billions of years older than ours

, that life should have evolved on planets around 

those suns, and that - if interstellar travel is possible 

- aliens should have developed it billions of years 

ago, should have colonised the galaxy within a million

 years or so and hence we should be hip deep in

 interstellar travellers. So where are they?."


By DonWilliams on We should not be too excited about intergalactic neighbours

sábado, 16 de novembro de 2013

ANJANA AHUJA ON FINANCIAL TIMES



High quality global journalism requires investment. Please share this article with others using the link below, do not cut & paste the article. See our Ts&Cs and Copyright Policy for more detail. Email ftsales.support@ft.com to buy additional rights. http://www.ft.com/cms/s/0/3f5ce66e-4715-11e3-b4d3-00144feabdc0.html#ixzz2kOedkIrn

November 10, 2013 4:30 pm

We should not be too excited about intergalactic neighbours


Extraterrestrial societies might not relish the prospect of meeting us in any case, writes Anjana Ahuja
It began in 1960 with piecemeal American efforts to scan the skies for unusual radio signals. This week, the increasingly respectable science of alien-hunting notched up a new milestone.
Astronomers crunching data from Nasa’s orbiting Kepler observatory estimate that about one in five Sun-like stars could boast an Earth-like planet. When those statistics are applied to our own galaxy, the Milky Way, the prospect of extraterrestrial neighbours begins to look thrillingly real. There could be 20bn candidate planets on our galactic doorstep, all about Earth’s size and circling their host stars at just the right distance to harbour life. The nearest planetary doppelgänger, according to Erik Petigura, the Berkeley astronomer who published the analysis, could be a mere 12 light years away – close enough for the host star to be seen with the naked eye. Professor Geoffrey Marcy, a colleague of Mr Petigura and a fellow contributor, said the revelation made him feel “tingly inside”.

More

ON THIS STORY

IN OPINION

But it is a long haul to the ultimate goal: discovering whether we really are alone in the universe. We certainly lack company in the solar system; Mars has failed to throw up even a microbe. Still, our life-giving Sun is one star among an estimated septillion (10 to the power of 24) in the cosmos, holding out the statistical probability that we are not unique.
That is why, in 2009, Nasa launched the Kepler spacecraft, containing a fancy light meter that could be pointed at distant stars to record any dimming caused by planets passing across them. In a separate announcement this week, the US space agency said Kepler had clocked up confirmed sightings of more than 3,000 planets orbiting stars. Of these “exoplanets”, 104 are in the “habitable zone”; this means liquid water, seen as a prerequisite of life, can exist on the surface. The habitable zone, with its just-right conditions, is also known as the Goldilocks zone, with planets outside it either too scorched or too frozen.
The next logical step is to scan the atmospheres of these candidate planets for gases, such as oxygen, that would betray the existence of life. That is tough to achieve from Earth; spectral signatures of biomarker gases from other worlds would be hard to read amid the fog of our own vapours. Sending an instrument into space would cancel terrestrial interference but since the parent stars shine 10bn times brighter than their orbiting planets, the challenge of discerning a clean planetary signal becomes astronomical. Nasa was planning such a mission, but the Terrestrial Planet Finder was cancelled in 2011 because of budget cuts.
In any case, an oxygen signature does not confirm life. We could try visiting, but even a journey of 12 light years is prohibitive. One light year is the distance travelled by light in one year; 9.5tn km. Voyager 1, the sole man-made object to have left our solar system, has travelled only 0.002 light years since its 1977 launch. At this speed, the trip would take any earthly messenger at least 276,000 years. It may be that future generations confirm the existence of wormholes – shortcuts in space-time that allow time travel and instant transport across the universe – but they remain for now the stuff of mathematical fantasy.
So our best chance of remote confirmation remains the arrival of an inexplicable radio signal or laser pulse, as predicted 53 years ago, when the first Seti (or search for extraterrestrial intelligence) experiment was conducted in West Virginia. The Arecibo radio telescope in Puerto Rico happens to be in just the right place to “catch” radio signals from some of the exoplanets Kepler has uncovered. This is where Seti efforts will probably congregate.
But what if we do detect an engineered signal from beyond our solar system? It would mark an epochal moment. Our civilisation would need to decide, through the UN, whether to reply. Stephen Hawking, the British physicist, has advised radio silence, in case any neighbours harbour malign intentions and covet Earth as a galactic colony.
Of course, any cosmic company may already know of our existence, through our electromagnetic emissions. An alien society 12 light years away might be enjoying a raft of TV shows first broadcast in 2001, including the first series of The Office. In which case, they have probably decided we earthlings are far too irritating to bother visiting.
The writer is a science commentator

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

TAO TE CHING - LAO TZU - 64 (PART 1/2)



That which is the rest  is easy to grasp.
That which has not yet come about is easy to plan for.
That which is fragile is easily broken.
That which is minute is easily scattered.
Handle things before they arise.
Manage affairs before they are in a mess.

A thick tree grows from a tiny seed.
A tall building arises from a mound of earth.
A journey of a thousand miles starts with one step.
Contriving, you are defeated;
Grasping, you lose.

The sage doesn't contrive, so she isn't beaten.
Not grasping, she doesn't lose.
When people are carrying out their projects
They usually blow it at the end.


terça-feira, 12 de novembro de 2013

FAMÍLIA FELIZ !!!


Um belo dia caminhava por Santa Fé ...
Quando encontrei uma Família Feliz !!!

Não resisti, e calmamente perguntei 
se poderia fazer uma Foto !!!

Aqui nasceu uma alegria  !!!


segunda-feira, 11 de novembro de 2013

GUGGENHEIM MUSEUM !!!


Um Museu é sempre.... 
uma experiência personalíssima...
Cada um sente uma emoção diferente ...
Fundamental visitar e 
deixar aflorar a sua emoção ....
Seja ela qual for ...


FONTE :
http://www.guggenheim.org

domingo, 10 de novembro de 2013

Cecília Meireles - Romanceiro da Inconfidência




Romance LXVII

Ai, terras negras d'Africa,
portos de desespero ...
- quem parte, já vai cativo;
- quem chega, vem por desterro.



CONFÚCIO - CAP 17.8 - ISBN 8533621132


O amor pela humanidade sem o amor pela aprendizagem degenera em tolice.


O amor pela inteligência sem o amor pela aprendizagem degenera em frivolidade.

O amor pelo cavalheirismo sem o amor pela aprendizagem degenera em banditismo.

O amor pela franqueza sem o amor pela aprendizagem degenera em brutalidade.

O amor pela coragem sem o amor pela aprendizagem degenera em violência.

O amor pela força sem o amor pela aprendizagem degenera em anarquia.

sábado, 9 de novembro de 2013

Coetzee presenta a sus maestros ....





Coetzee presenta a sus maestros

Publicado originalmente en "El País". Aquí tienes el enlace 

EL NOBEL SUDAFRICANO PUBLICA UNA COLECCIÓN CON LOS LIBROS QUE LE FORMARON COMO NOVELISTA.“EN LA FICCIÓN, LOS ESCRITORES NO DEBEN ODEBECER NINGUNA LEY", AFIRMA 

Madame Bovary es la historia de una francesita sin importancia —esposa de un inepto médico rural—, quien tras un par de relaciones extramatrimoniales, ninguna de las cuales funciona bien, y después de hundirse en deudas para pagar artículos de lujo, desesperada toma veneno para ratas y se suicida”. Así arranca la introducción que John Maxwell Coetzee, Nobel de Literatura en 2003, ha colocado al frente de la celebérrima novela de Flaubert, una de las 12 obras que forman su Biblioteca Personal, la particular colección que acaba de lanzar el sello El hilo de Ariadna.

 La editora argentina María Soledad Constantini propuso al escritor sudafricano que, siguiendo el modelo de Borges, eligiera los libros clave de su formación como lector y como escritor. El autor de Desgracia, de 73 años, se puso manos a la obra: seleccionó los títulos y escribió para cada uno de ellos una introducción de una quincena de páginas en la que brilla el Coetzee crítico, el autor de obras como Costas extrañas o Contra la censura que, por si fuera poco su obra narrativa, han hecho de él uno de los mejores ensayistas literarios de la actualidad.
Los volúmenes que acompañan a Madame Bovary en el debut de una serie que por ahora solo se publicará en español son La letra escarlata (de Nathaniel Hawthorne), La marquesa de O./ Michael Kohlhaas (de Heinrich von Kleist) y Tres mujeres/ Uniones (de Robert Musil). Les seguirán obras de Kafka, Robert Walser, su querido Daniel Defoe —en 1986 Coetzee publicó Foe, una particular versión de Robinson Crusoe— o el australiano Patrick White, premio Nobel en 1973. Aunque Coetzee, que reside en Australia, no acostumbra a dar entrevistas y aborrece glosar su propio trabajo, ha accedido a responder a EL PAÍS por correo electrónico, eludiendo, eso sí, hablar de sus novelas pese a que el protagonista de la última, La infancia de Jesús, es un niño que aprende a leer con el Quijote. “Don Quijote es un libro por el que tengo una admiración”, responde, “pero sería absurdo que yo tratara de introducirlo a un lector en español”.
Con todo, la obra de Cervantes no está entre sus 12 elegidos. “La Biblioteca Personal no es una biblioteca de clásicos universales”, aclara. “De ser así habría incluido la Ilíada, el Quijote y Guerra y paz. Por otra parte, no he seleccionado libros que simplemente he disfrutado leyendo. La biblioteca es personal en el sentido de que los libros que incluye han significado mucho para mí como escritor”. Como profesor universitario y crítico literario —asiduo de The New York Review of Books—, ¿puede separar ese trabajo de su gusto personal, en otras palabras, disfruta leyendo obras que nunca consideraría gran literatura? “Sí. Hay escritores que disfruto aunque no tengan grandes ambiciones literarias, por ejemplo, el escritor estadounidense de novela negra George V. Higgins. Pero esta Biblioteca Personal está hecha de libros que han significado mucho para mí como escritor. No importa si son canónicos o no. El de canon es un concepto que hoy se usa demasiado, como si todos supiéramos qué contiene y qué no. Pero si profundizas un poco ves que la gente no se pone de acuerdo sobre qué libros constituyen ese canon”.
Conjugando rigor y claridad, los prólogos de Coetzee explican impecablemente cada obra —ya trate de una injusticia flagrante o de un misterioso embarazo—, pero es imposible leerlos sin pensar en lo que, huyendo de la primera persona, dicen del propio antólogo. ¿Cómo no pensar en su estilo cuando cita a Thomas Mann hablando de la prosa “dura como el acero y sin embargo impetuosa” de Von Kleist? ¿O cuando recoge la idea de Flaubert de que “en su obra, el artista debe ser como Dios en su creación: invisible y todopoderoso. Se lo debe sentir en todas partes, pero no vérselo jamás?”. Esas palabras cuadrarían perfectamente a obras como Elisabeth Costello o Verano, pero cuando se le pregunta por la “impetuosa” frialdad de sus seleccionados en relación con la suya, matiza: “Walser nunca es frío. A los demás yo los describiría más como inteligentes que como fríos. Por supuesto, me siento cercano a ellos: de ellos he aprendido mucho. Sobre si el lector debe o no sentir la presencia del autor o si el autor debe o no ser visible diría que, en el terreno de la ficción, los escritores no deben odebecer ninguna ley”.
El Coetzee lector se ha dedicado especialmente a la narrativa, pero nunca ha perdido de vista la poesía (el polaco Zbigniew Herbert es una referencia constante) y su Biblioteca Personal tendrá una antología de versos. ¿Qué puede un novelista aprender de un poeta? “Cada verso de un buen poema”, contesta, “suele tener detrás el peso de un sentimiento fuerte y de un pensamiento certero. El novelista puede aprender del poeta a concentrar y a intensificar el sentimiento y el pensamiento que pone en su prosa.
Tres de los cuatro títulos que abren la biblioteca de Coetzee tienen un curioso denominador común: el adulterio. En su introducción a Madame Bovary, el autor sudafricano apunta algo que, de nuevo, podría cuadrarle a él: “Flaubert tenía dos talentos que rara vez se encuentran conjuntamente en una sola alma: una vívida imaginación poética y agudos poderes analíticos. Lo que lo convierte en un novelista de novelistas, el principal de todos, es su capacidad para reformular grandes temas morales como problemas de composición”. ¿Y qué sucede cuando una sociedad ha dejado de considerar tan traumáticos dilemas morales como el adulterio?, ¿adiós a la novela? Coetzee responde con ironía: “Me alegra oír que el adulterio como problema moral se ha resuelto. No era consciente de ello. Pero si el adulterio se ha desvanecido como asunto sobre el que construir una novela, hay otros dilemas morales que cobran protagonismo, como, por ejemplo, los planteados por gente como Julian Assange y Edward Snowden”. Parece que las novelas seguirán llenando las bibliotecas. También las de los novelistas.

FONTE :
http://www.libros-de-dimka.blogspot.com.es/2013/11/coetzee-presenta-sus-maestros.html#more

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

ANTÔNIO TORRES, PARABÉNS PELA IMORTALIDADE NA ABL !!!



Antônio Torres nasceu no pequeno povoado do Junco (hoje a cidade de Sátiro Dias), no interior da Bahia, no dia 13 de setembro de 1940. Ainda menino, mudou-se para Alagoinhas para fazer o Ginásio, mais tarde foi parar em Salvador, capital baiana, onde se tornou repórter do Jornal da Bahia. Aos 20 anos transferiu-se para São Paulo, empregando-se no diário Última Hora. Lá, mudou de ramo e passou a trabalhar em publicidade. Viveu por três anos em Portugal e atualmente dedica-se exclusivamente à atividade literária e mora em Itaipava, Petrópolis, RJ depois de viver no Rio de Janeiro por várias decádas. É casado com Sonia Torres, doutora em literatura comparada, professora da Universidade Federal Fluminense (UFF), e tem dois filhos,Gabriel e Tiago.mapa.gif (38152 bytes)[clicar aqui para obter fotos do autor]
        Aos 32 anos, Antônio Torres lançou seu primeiro romance, Um cão uivando para a Lua, que causou grande impacto, sendo considerado pela crítica “a revelação do ano”. O segundo “Os Homens dos Pés Redondos”, confirmou as qualidades do primeiro livro.O grande sucesso, porém, veio em 1976, quando publicou Essa terra, narrativa de fortes pinceladas autobiográficas que aborda a questão do êxodo rural de nordestinos em busca de uma vida melhor nas grandes metrópoles do Sul, principalmente São Paulo.
       Hoje considerada uma obra-prima, Essa terra ganhou uma edição francesa em 1984, abrindo o caminho para a carreira internacional do escritor baiano, que hoje tem seus livros publicados em Cuba, na Argentina, França, Alemanha, Itália, Inglaterra, Estados Unidos, Israel, Holanda, , Espanha e Portugal. Em 2001 a Editora Record lançou uma reedição comemorativa (25 anos) de Essa Terra. Torres, porém, não restringiu seu universo ao interior do Brasil. Passeia com a mesma desenvoltura por cenários rurais e urbanos, como em Um cão uivando para a LuaOs homens dos pés redondosBalada da infância perdida e Um táxi para Viena d’Áustria.
        Em 1997, Torres decidiu retornar ao tema e aos personagens do consagrado Essa terra. Vinte anos depois, narrador e protagonista voltam à pequena Junco em O cachorro e o lobo, para encontrar uma cidade já transformada pela chegada do progresso. É um romance de fina carpintaria literária que foi saudado pela crítica, tanto no Brasil como na França, onde foi publicado em 2001.
        Foi condecorado pelo governo francês, em 1998, como “Chevalier des Arts et des Lettres”, por seus romances publicados na França até então (Essa terra e Um táxi para Viena d'Áustria). Em 2000, ganhou o Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, pelo conjunto da sua obra. Em 2001, foi o vencedor (junto com Salim Miguel por Nur na escuridão) do Prêmio Zaffari & Bourbon, da 9a. Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo, RS, por seu romance Meu querido canibal, no qual Torres se debruça sobre a vida do líder tupinambá Cunhambebe, o mais temido e adorado guerreiro indígena, para traçar um painel das primeiras décadas da história brasileira.        Dando seqüência às suas pesquisas históricas, ele escreveu o romance O nobre seqüestrador, que trata da invasão francesa ao Rio de Janeiro em 1711, comandada por René Duguay-Trouin, o corsário de Luis XIV, que sequestrou a cidade durante 50 dias, até que lhe fosse pago um alto resgate para que ela fosse devolvida a seus habitantes. O nobre seqüestardor foi finalista no Prêmio Zaffari & Bourbon de 2003.        Em 2006, Antônio Torres publicou o romance Pelo fundo da agulha, com o que fechou uma trilogia iniciada com Essa terra e prosseguida com O cachorro e o lobo. Este livro foi um dos vencedores do Prêmio Jabuti e finalista do Prêmio Zaffari & Bourbon, da Jornada Literária Nacional de Passo Fundo.        Em resumo: autor premiado, com várias edições no Brasil e traduções em muitos países, Antônio Torres é um dos nomes mais importantes da sua geração, com um obra expressiva que abrange 11 romances, 1 livro de contos, 1 livro para crianças, 1 livro de crônicas, perfis e memórias. além de dois projetos especiais (O centro das nossas desatenções, sobre o centro do Rio de Janeiro - e que rendeu um documentário para a TV Cultura, São Paulo -, e O circo no Brasil, da série História Visual, da Funarte, Fundação Nacional de Arte).

Para maiores informações: www.record.com.br
Capa do caderno literário do jornal Le Monde (França) dedicado à literatura latino-americana. O nome de Antônio Torres aparece ao lado de Jorge Amado, Carlos Drummond de Andrade, Dyonélio Machado, Graciliano Ramos e Moacyr Scliar.
lemonde.jpg (52240 bytes)

Bibliografia

Um cão uivando para a lua - 1972
Os homens dos pés redondos - 1973
Essa terra - 1976
Carta ao bispo - 1979
Adeus, velho - 1981
Balada da infância perdida - 1986
Um táxi para Viena d’Áustria - 1991
O centro das nossas desatenções - 1996
O cachorro e o lobo - 1997
O circo no Brasil - 1998
Meninos, eu conto - 1999
Meu querido canibal ¾ 2000
Essa Terra (edição comemorativa de 25 anos) - 2001 

O Nobre Sequestrador -  2003
Pelo Fundo da Agulha - 2006
Minu, o gato azul - 2007 (história para crianças)
Sobre pessoas - 2007 (crônicas, perfis e memórias)


FONTE :
http://www.antoniotorres.com.br/vida&obra.htm

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

GEORGIA O'KEEFFE MUSEUM



Simplesmente uma janela ...
Simplesmente uma árvore ...
Simplesmente uma fotografia ...
Simplesmente um Museu ...
Simplesmente várias Emoçōes !!!

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

LAO TZU - TAO TE CHING - 56 (parte 2/2)


Though you cannot possess it, 
you are intimate with it,
And at the same time, distant.

Though you cannot possess it,
you are benefitted by it,
And harmed by it.

You cannot possess it,
but are esteemed thought it
And humbled by it.

Therefore the World values you.


terça-feira, 5 de novembro de 2013

LAO TZU - TAO TE CHING - 56 (parte 1/2)


One who knows does not speak.
One who speaks does not know.
Close your holes, shut your doors,

Soften your sharpness, loosen your knots.
Soften your glare and merge with the everyday.
This is called mysteriously attaining oneness.


Translated by 
Charles Muller

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

BRANDYWINE BOOKS



BRANDYWINE BOOKS

114 SOUTH PARK AVENUE, 

SUITE E, WINTER PARK, 

FLORIDA, (407)644-1711 ,

www.brandywinebooks.com 

bookseller@brandywinebooks.com


###


PRIMEIRA BOOKSHOPP

NOS EUA COM

" JULIA AND THE BALLOONS "

UNFORGETABLE !!!