Seguidores

terça-feira, 31 de março de 2015

Cássia Rodrigues



Partida

Ando um pouco 
cansada de mim
mesma:
do que sou
do que faço 
e do que sonho

Vontade de partir 
e deixar pra trás
todos os sentimentos
que me pesam
a alma

Na mala, apenas
o que me for leve:
lápis, papel
uma nova vida
por escrever

E o peito aberto
livre de sonhos...


segunda-feira, 30 de março de 2015

SIMONE


De todas as formas de viver e conviver, 
buscamos sempre aquela que nos dá mais prazer. 
Entretanto este prazer é volátil demais. 
E então ficamos com a impressão sempre errada, 
pra não dizer indefinida, 
que estamos em estado de eterna insatisfação. 
Desejamos o que sequer entendemos, 
procuramos pelo que nunca perdemos, 
e nos encontramos novamente perdidos nessa necessidade 
de encontrarmos o prazer incomensurável do convívio necessário, 
para vivermos plenamente o que somos.
Nesse caminho de encontros e desencontros, 
nos aproximamos de nos mesmos, 
e sempre, ao final nos percebemos diferentes do que fomos, 
melhores do que nos propusermos ser, mas ainda, insatisfeitos. 
Provavelmente, é essa insatisfação, que nos remete à vida. 
Hoje me encontro aparando arestas, remendando esforços, 
revivendo escolhas e acima de tudo, 
aprendendo a ser inteiramente controversa. 
Quero todos os momentos e momento algum, 
penso todas as escolhas e caminho algum. 
Posso e quero, mas ao lançar-me nos caminhos que escolho, 
retrocedo e recolho em mim toda a necessidade 
que tenho de sentir-me assim... completamente controversa.

sábado, 28 de março de 2015

Tomas Tranströmer (1931-2015)

 

Cuando anunciaron al ganador del Premio Nobel de literatura de 2011, mucha gente pudo pensar que los suecos premiaban a otro sueco por chovinismo. Mucha gente, pero desde luego no los lectores de poesía, que exclamaron algo así como un “por fin” que debió sonar, bajito, pero continuo, en toda la tierra. Tomas Tranströmer (1931-2015), fallecido este 27 de marzo a los 83 años, era, desde hacía mucho tiempo, el maestro de una nueva manera de entender la poesía. Su estilo era directo, pero cargado de misterio. Imaginativo y con una potencia plástica que recordaba a la mejor poesía oriental y a las vanguardias, pero sin renunciar a la sobriedad de la poesía clásica. Una poesía de gestos pequeños escrita casi siempre en presente. Y, no menos significativo, una poesía que no temía hablar en primera persona y recuperar el yo (esa partícula que los poetas mantienen en cuarentena) pero con una humildad que rayaba en la desaparición del sujeto (“Fantástico sentir cómo el poema crece / mientras voy encogiéndome. / Crece, ocupa mi lugar. / Me desplaza. / Me arroja al nido. / El poema está listo”, dice en uno de sus mejores poemas). La voz de la poesía de Tranströmer era la de una especie de superviviente feliz que se queda a medio lado mientras las cosas, las cosas cotidianas, que son las más fascinantes, suceden. Su programa poético, si hubiera tenido uno, podría resumirse en un verso que lo ha hecho célebre: “El mundo y yo dimos un salto el uno hacia el otro”.
Por todas estas cosas, desde finales de los años setenta Tranströmer se convirtió en el maestro de una poesía que nacía con la voluntad de aunar diversas tradiciones y posibilidades estéticas, alérgica a las escuelas y los dogmas políticos. Una poesía “internacional” escrita en sueco, pero también en inglés, en polaco, y a lo que en nuestro idioma llamamos antipoesía. Y maestro, por ejemplo, de Joseph Brodsky y Seamus Heaney, dos autores que obtuvieron el Premio Nobel antes que él.
Pero hablemos de su vida. Nacido en 1931 en el seno de una familia liberal que se separó cuando era pequeño, Tomas vivió su juventud con su madre en un barrio obrero, circunstancia que narra en su prodigioso (y breve) libro de memorias Visión de la memoria (1996) y que definió la cualidad más notable en su poesía: una peculiar manera de estar en contacto con el mundo, una especie de pasividad valiente. Y su vida es importante porque desde su primer libro 17 poemas (1957), escrito con una peculiar revisión de surrealismo cuando apenas contaba 24 años (“oigo a las estrellas piafar desde los establos”, escribe, por ejemplo), hasta la simplicidad de grandes libros El cielo a medio hacer (1962), Visión nocturna(1970), el largo poema Bálticos (1974) o Para vivos y muertos (1989), sus versos son inseparables de su trabajo cotidiano: Tranströmer trabajó como psicólogo en centros penitenciarios y hospitales, reinsertando a los adolescentes marginados y a las víctimas de traumatismos severos.
Se convirtió en el maestro de una poesía que nacía con la voluntad de aunar diversas tradiciones y posibilidades estéticas
Por eso su poesía actúa a modo de reinserción. Esa pasión por el instante, por “la retórica del ahora”, como él mismo dice en un poema, y por una vida que merece vivirse (siempre sin edulcorar) hacen de sus poemas cuestiones vitales para cualquier lector, esté habituado o no a la poesía. Consigue que el mundo nos seduzca. Y para ello multiplica las imágenes divertidas: “el periódico, gran mariposa sucia”, “una orquesta hindú de ollas de cobre”, “el jeroglífico del ladrido de un perro / pintado en el aire sobre el jardín”.
En 1990 Tranströmer sufrió una hemiplejía que lo dejó sin voz, pero no, como él mismo precisaba, “sin lenguaje”, y continuó escribiendo una poesía cada vez más breve y directa. También siguió tocando el piano, una de sus principales pasiones, e interpretando con la mano izquierda obras de Scriabin y Mompou. Y viajando por el mundo con Monica, su mujer, que sabía traducir con gran riqueza cada mínimo gesto del poeta.
En España, gracias a la generosa labor de la Editorial Nórdica, que lo publicó antes de que obtuviera el prestigioso premio sueco, tenemos a nuestra disposición toda la poesía de Tomas Tranströmer magníficamente traducida por Francisco Uriz y Robert Mascaró en los volúmenes El cielo a medio hacer (2010) y Deshielo a mediodía (2011), además de su libro de recuerdos Visión de la memoria (2011) y un enjundioso epistolario con el poeta norteamericano Robert Bly, Air Mail (2012).

FONTE : JORNAL EL PAÍS, MADRID

sexta-feira, 27 de março de 2015

William Faulkner - Nobel Prize Acceptance Speech (1950)



Ladies and gentlemen,
I feel that this award was not made to me as a man, but to my work - a life's work in the agony and sweat of the human spirit, not for glory and least of all for profit, but to create out of the materials of the human spirit something which did not exist before. So this award is only mine in trust. It will not be difficult to find a dedication for the money part of it commensurate with the purpose and significance of its origin. But I would like to do the same with the acclaim too, by using this moment as a pinnacle from which I might be listened to by the young men and women already dedicated to the same anguish and travail, among whom is already that one who will some day stand here where I am standing.

Our tragedy today is a general and universal physical fear so long sustained by now that we can even bear it. There are no longer problems of the spirit. There is only the question: When will I be blown up? Because of this, the young man or woman writing today has forgotten the problems of the human heart in conflict with itself which alone can make good writing because only that is worth writing about, worth the agony and the sweat.

He must learn them again. He must teach himself that the basest of all things is to be afraid; and, teaching himself that, forget it forever, leaving no room in his workshop for anything but the old verities and truths of the heart, the old universal truths lacking which any story is ephemeral and doomed - love and honor and pity and pride and compassion and sacrifice. Until he does so, he labors under a curse. He writes not of love but of lust, of defeats in which nobody loses anything of value, of victories without hope and, worst of all, without pity or compassion. His griefs grieve on no universal bones, leaving no scars. He writes not of the heart but of the glands.

Until he relearns these things, he will write as though he stood among and watched the end of man. I decline to accept the end of man. It is easy enough to say that man is immortal simply because he will endure: that when the last dingdong of doom has clanged and faded from the last worthless rock hanging tideless in the last red and dying evening, that even then there will still be one more sound: that of his puny inexhaustible voice, still talking.
I refuse to accept this. I believe that man will not merely endure: he will prevail. He is immortal, not because he alone among creatures has an inexhaustible voice, but because he has a soul, a spirit capable of compassion and sacrifice and endurance. The poet's, the writer's, duty is to write about these things. It is his privilege to help man endure by lifting his heart, by reminding him of the courage and honor and hope and pride and compassion and pity and sacrifice which have been the glory of his past. The poet's voice need not merely be the record of man, it can be one of the props, the pillars to help him endure and prevail.
From Nobel Lectures, Literature 1901-1967, Editor Horst Frenz, Elsevier Publishing Company, Amsterdam, 1969

quinta-feira, 26 de março de 2015

Cássia Rodrigues


Don Juan

Alguém aqui
alguém acolá
em cada porto
um amor a lhe esperar

Assim vivia aquele Don Juan:
Justine na Europa
Mayumi no Japão
Uzuri no Afeganistão
e a linda Isabel em uma torre a beira-mar,
na Espanha uma Antonia a sonhar
e outra Soledad na Argentina por encontrar

Assim vivia aquele Don Juan:
Tereza, a portuguesa, era uma bela rapariga com certeza
Na Itália a dolce Giovanna, é a bela do momento
que vive em seus braços a sonhar
Rita, a baiana, no Brasil suspira com o desejo
 de seu amado reencontrar
enquanto em Nova York, Rebecca e Sofia choram de saudades
daquele Don Juan que está em todo lugar

Alguém aqui
alguém acolá
em cada canto 
alguém para amar

Assim morria Don Juan:
tinha a todas sem ter ninguém,
sempre a procura daquela amada,
que em seus versos decantava !





PS. Comparso per la prima volta nel 1630 nella commedia di Tirso de Molina L'ingannatore di Siviglia e il convitato di pietra (titolo originale El Burlador de Sevilla y convidado de piedra).
http://it.wikipedia.org/wiki/Don_Giovanni

quarta-feira, 25 de março de 2015

Claudio Bertoni



Me gustaría ser un nido si fueras un pajarito
me gustaría ser una bufanda si fueras un cuello y tuvieras frío
si fueras música yo sería un oído
si fueras agua yo sería un vaso
si fueras luz yo sería un ojo
si fueras pie yo sería un calcetín
si fueras el mar yo sería una playa
y si fueras todavía el mar yo sería un pez
y nadaría por ti
y si fueras el mar yo sería sal
y si yo fuera sal
tú serías una lechuga
una palta o al menos un huevo frito
y si tú fueras un huevo frito
yo sería un pedazo de pan
y si yo fuera un pedazo de pan
tú serías mantequilla o mermelada
y si tú fueras mermelada
yo sería el durazno de la mermelada
y si yo fuera un durazno
tú serías un árbol
y si tú fueras un árbol
yo sería tu savia y correría
por tus brazos como sangre
y si yo fuera sangre
viviría en tu corazón.



https://youtu.be/HKLofioLiL0 

terça-feira, 24 de março de 2015

6 ANOS DE BLOG, DESDE 2009


6 Anos
2009, 2010, 2011, 2012, 2013, 2014, 2015
São apenas 2191 dias, 
com o ano bissexto (em 2012).
Quero dividir essa vitória 
com os Leitores e os Livros.
Quando Criamos pensamos 
em colocar as melhores energias no ar.
As vezes conseguimos,
as vezes apenas nos exercitamos,
para quem sabe, conseguir mais lá na frente.
Não importa a Velocidade.
E sim a Qualidade !!!
Vamos continuando, devagar e sempre ...
Em Italiano um provérbio nos ensina :
" Piano, piano si va Lontano."
Fica aqui o meu muito obrigado, 
aos 138 seguidores Google,
aos 264 membros do Blog
e as 257.000 visitas.
Especiais Agradecimentos
aos Colaboradores 
Amém !!!


segunda-feira, 23 de março de 2015

SIMONE 33



Hoje pedi ao tempo que me trouxesse seus olhos,
Que eu pudesse me ver neles como você me via
Inabalável e consistente
Hoje pedi ao tempo que me fizesse levemente insana
Que me roubasse as horas que tornam a vida triste

Hoje eu me perdi de mim,
Misturei tempo e sorte
Medo e morte
Matei meus sonhos
Morri de tédio
E por sorte voltei no tempo
Dos teus olhos...

Hoje nem me vi 
Hoje sequer vivi
Hoje somente hoje
Só eu morri.

Ressucita-me, leve e docemente...

domingo, 22 de março de 2015

ORAÇÃO DOS 5 DEDOS DO PAPA FRANCISCO

Photo by MC

ORAÇÃO DOS 5 DEDOS DO PAPA FRANCISCO
Para refletir, a "Uma oração em cada dedo", do Papa Francisco:
1. O Polegar é o mais próximo de você. Então comece a orar por aqueles que lhe são mais próximos. Eles são os mais facilmente lembrados. Orar por nossos entes queridos é "uma doce obrigação"!

2. O seguinte é o dedo indicador. Ore por aqueles que ensinam, instruem e curam. Isso inclui mestres, professores, médicos e padres. Eles necessitam de apoio e sabedoria para indicar a direção correta aos outros. Mantenha-os em suas orações sempre presentes.

3. O próximo dedo é o mais alto. Ela nos lembra dos nossos líderes. Ore para os presidentes, governadores, prefeitos, congressistas, empresários e gestores. Essas pessoas dirigem os destinos de nossa nação e orientam a opinião pública. Eles precisam da orientação de Deus.

4. O quarto dedo é o nosso dedo anular. Embora muitos fiquem surpresos, é o nosso dedo mais fraco, como pode dizer qualquer professor de piano. Ele deve lembrar-nos a rezar para os fracos, com muitos problemas ou prostrados pela doença. Eles precisam da sua oração dia e noite. Nunca é demais para orar por eles. Você também deve se lembrar de orar pelos casamentos.

5. E finalmente o nosso dedo mindinho, o dedo menor de todos, que é a forma como devemos nos ver diante de Deus e dos outros. Como a Bíblia diz que "os últimos serão os primeiros". Seu dedo mindinho deve lembrá-lo de orar por você. Quando você estiver orando para os outros quatro grupos, suas próprias necessidades estarão na perspectiva correta, e você poderá rezar melhor pelas suas necessidades."

sábado, 21 de março de 2015

Yosa Buson (1715-1783)



" Datemi alloggio per la notte ",
e l'uomo getta a terra la spada.
Tormenta di neve 

" Yado kase " to
  Katama nagedasu
Fukubi kana 


sexta-feira, 20 de março de 2015

ESCADA !!!

Photo by MC

ESCADA

Uns a subir,
outros a descer ...

Uns a trabalhar,
outros a passear ...

Uns a construir,
outros a criticar ...

Uns a imaginar,
outros a realizar ...

Uns a Fotografar,
outros a admirar ...

Uns a descer,
outros a subir ...



quinta-feira, 19 de março de 2015

Cássia Rodrigues

Photo by MC


Sol e Lua

Ele era o Sol
Ela era Lua
E viviam sempre a se buscar

O Sol tão brilhante e distante
vivia a disfarçar 
o desejo de poder a Lua contemplar

O Lua com seu brilho tímido 
que as vezes chega a se apagar
sonhava com o seu Rei poder abraçar

Mas diante da impossibilidade
contavam os dias e noites
esperando as horas passar

Pois, ambos tinham a esperança
do tal encontro realizar
e de frente a frente ficar

Mas quando esse dia será?
será  no dia em que houver um eclipse solar
ou seria lunar?

Sol e lua a se buscar...

quarta-feira, 18 de março de 2015

SIMONE



Disse certa vez que, quando criança, 
não percebemos a importância de fatos, momentos e lugares. 
Não entendemos a importância dos encontros, 
das pessoas que se tornam presença e ausência em nossa vida. 
Hoje me peguei remanejando presenças e ausências, 
foi uma lembrança doce, terna e melancólica. 
Faz anos que não preencho meu coração 
com esse sentimento de saudade das presenças 
que se fizeram ausências 
(por equívoco, conveniência, acaso ou intolerância). 
Fica a saudade, minhas lembranças 
e a certeza de que somente entendemos 
a vida quando amadurecemos.

terça-feira, 17 de março de 2015

Cássia Rodrigues



Noite e dia

Que venha a noite 
que venha o dia

que passe o tempo
que nos evidencia

que a vida não é sina
mas ensina !

segunda-feira, 16 de março de 2015

SIMONE 20




Hoje procuro nos gestos os tons que me faltam aos olhos. 
Arremato as idéias soltas que em meus devaneios espalhei por cantos diversos.
Quero a sensação do carinho incondicional, 
da linguagem não verbal, que alimenta a alma, 
e desarma o coração. 
E num instante, na imensidão deste universo imponderável 
que chamo de meu, posso afirmar que sou 
o exato termo de minha essência: 
profundamente humana, humanamente superficial, 
que se inflama por pequenos gestos, 
e se desmancha por diversos sonhos.
O que me persegue é sempre a capacidade incondicional de amar, 
de forma inteira e branda, somando todos os sentimentos 
que me atravessam o caminho. 
São de gestos e palavras que quero meus dias repletos.

domingo, 15 de março de 2015

Edward Hopper's Creative Process

John Newman - Love Me Again



Know I've done wrong, left your heart torn
Is that what devils do?
Took you so long, where only fools gone
I shook the angel in you!
Now I'm rising from the crowd
Rising up to you!
Feel with all the strength I found
There's nothing I can't do!
I need to know now, know now
Can you love me again?
I need to know now, know now
Can you love me again?
I need to know now, know now
Can you love me again?
I need to know now, know now
Can you love me again?
Can you love me again?
It's unforgivable,
I stole and burnt your soul
Is that what demons do?
(Hey) They rule the worst in me
Destroy everything,
They blame on angels like you
(Hey) Now I'm rising from the ground
Rising up to you!
Filled with all the strength I found
There's nothing I can't do!
I need to know now, know now
Can you love me again?
I need to know now, know now
Can you love me again?
Can you love me again?
Told you once I can't do this again,
Do this again, oh no!
I told you once I can't do this again,
Do this again, oh no!
I need to know now, know now
Can you love me again?
I need to know now, know now
Can you love me again?
I need to know now, know now
Can you love me again?
Can you love me again?
Can you love me again?
Can you love me again?
Songwriters
BOOKER, STEPHEN ANDREW / NEWMAN, JOHN

Andréa Thomé Netto




No domingo que passou comecei a participar de um grupo de estudos sobre o perdão, proposto por dois amigos. Mas na verdade já estávamos no planejamento dos estudos há mais tempo, lendo o livro proposto, trocando mensagens sobre o tema e, da minha parte, refletindo muito a respeito do tema.

Muitas vezes é um termo banal. Pisamos no pé de uma pessoa e dizemos automaticamente: perdão. Mas o perdão em si, é algo muito sério e importante, ouso dizer, essencial para uma vida mais plena e feliz.

Na vida é comum acumularmos mágoas, há pessoas que se orgulham de ser rancorosas e “nunca” esquecer uma ofensa recebida. Eu até respeito essa posição, mas confesso que tenho muita pena dessas pessoas. As mágoas são más-águas que podem nos afogar por anos a fio, não deixando espaço para respirarmos livremente os ares da alegria.

Fisicamente, as mágoas ficam armazenadas na bexiga. Pessoas que guardam muitas mágoas costumam urinar pouco, o que ocasiona o armazenamento no corpo de algo que já deveria ter sido expulso há muito tempo. Então, se você quer se tornar uma pessoa com menos mágoas, a primeira providência é beber mais água (e outros líquidos saudáveis como chás e sucos) e urinar mais. Muitos pacientes meus fizeram apenas isso e perceberam mudanças significativas.

O autoconhecimento e a auto percepção também ajudam muito. Quanto mais nos conhecemos, mais cientes nos tornamos de nossas fraquezas e dificuldade e mais condescendentes poderemos ser com as alheias. Na maioria das vezes a gente se magoa com base no pensamento: eu nunca faria isso com essa pessoa. O que nem sempre corresponde à realidade. Todos somos capazes de ofender, chatear, agredir os outros. O que nos diferencia é a capacidade de perceber o erro, nos desculpar e tentar não repetir.

Nem sempre a pessoa com quem você se magoou sabe que isso ocorreu, pois o que ela fez não teve a intenção de te prejudicar, embora você perceba dessa forma. Quando somos muito perfeccionistas e exigentes, qualquer pequeno deslize que o outro cometa pode ser sentido como uma ofensa, o que pode não corresponder exatamente à verdade.

Por exemplo, você tem uma grande amiga, com quem sai muitas vezes, a quem convida para sua casa e seus programas. Ai fica sabendo que ela saiu no final de semana com outras pessoas e não te convidou. Fica magoada. Na verdade ninguém tem a obrigação de chamar ninguém para nada. O fato de vocês saírem sempre não obriga sua amiga a te convidar todas as vezes. De repente o grupo de amigos não tinha nada a ver contigo, ela pode ter sido convidada de última hora e você não gostar de fazer programas a não ser com planejamento muito antecipado, ou seja, são muitas as opções. A realidade é que sair com outros amigos não é uma ofensa a você. Vale a pena você ficar até sem falar com ela ou ser grossa por isso?

No trânsito as pessoas muitas vezes são mal educadas, agressivas, rudes, mas isso não é pessoal com ninguém. É a forma delas serem, de se relacionarem na vida. Vale a pena ficar estressado e remoendo uma ‘fechada’ que recebeu no trânsito por todo o dia?
No trabalho nem sempre os colegas são leais, companheiros, bem educados. Mas você precisa mesmo embarcar nesse modo de ser ou se sentir profundamente magoado cada vez que um deles não agir corretamente segundo sua opinião?

Na família as relações são muito estreitas e nem sempre levadas com afeto e respeito. Você pode não gostar disso e não precisa agir como os outros agem, mas é interessante perceber que as pessoas muitas vezes são assim mesmo, padecem de uma incapacidade de exercitar a doçura e não é nada pessoal com você.

Em todas essas situações e muitas outras, a mágoa é uma questão de escolha. Isso mesmo, você pode escolher ficar magoado ou não. Eu costumo usar a regra da uma semana, 3 meses, 3 anos. Se algo me chateia eu me pergunto: isso vai ser importante daqui a uma semana? Se eu achar que sim, continuo: e daqui a 3 meses? E se continuar achando que sim, insisto: e daqui a 3 anos. Na grande maioria das vezes aquele descontentamento não supera os meses, quem dirá os anos... Então, se não é algo tão significativo em minha vida com o passar do tempo, não vale a pena dedicar pensamentos e mágoas a ele.

A mágoa é um peso que eu carrego esperando que o outro se canse. Mas ele nem sabe que estou sobrecarregada com esse peso, então pra ele não faz nenhuma diferença. Mas para as minhas costas faz!

Perdoar é um ato que deve ser praticado nem que seja por egoísmo, para que eu me liberte de pesos que ando carregando desnecessariamente. O que o outro vai fazer com o meu perdão não interessa. Muitas vezes ele nem precisa saber que foi perdoado, assim como nem soube que eu estava magoada. O perdão é pessoal, faz diferença para o ser que perdoa. As repercussões acontecem em vários níveis, mas não são o principal objetivo.

Quando eu me torno mais capaz de perdoar as pequenas ofensas do dia-a-dia, vou melhorando minha percepção da real importância das coisas e, consequentemente, aumento minha capacidade de relevar ofensas mais graves e até mesmo gravíssimas. Com isso me torno uma pessoa mais leve, relaciono-me melhor com as pessoas e comigo mesma.

Então, faça uma lista (mental ou escrita) de mágoas e ressentimentos que vem alimentando em seu coração. Reflita sobre cada item, aplique a regra da ‘uma semana, 3 meses, 3 anos’ e escolha continuar carregando o peso ou livrar-se dele.

Na internet existem várias orações do perdão, ligadas a várias religiões ou não. Procure uma que fale a seu coração. E faça pelo menos uma vez por dia, mesmo que não sinta a menor vontade em seu íntimo. Com o passar dos dias e a repetição da oração, uma mudança vai ocorrendo em seu interior, até chegar o dia em que você vai estar recitando aquelas palavras sentindo-as em todo seu ser. Esse dia, em que você realmente alcançou o perdão, será muito especial para o resto da sua existência.

Não é um assunto que possa ser abordado em poucas palavras, pois há muita complexidade envolvida. Mas acredito que esse texto possa ser um primeiro passo para te ajudar a refletir sobre a necessidade do perdão em sua vida e, talvez, iniciar uma mudança de comportamento pela sua libertação.

Caso você se interesse em saber mais sobre o tema, vou colocar a sugestão de textos no final desse email para te ajudar. Se você conhecer outros e quiser indicar, será uma ótima contribuição.

Quer compartilhar comigo sua opinião? Sugerir outro tema? Concordar, discordar, compartilhar? Será um prazer pra mim.

Muito obrigada por sua companhia aqui semanalmente.

Um abraço e tenha uma ótima semana.

1 – O poder do perdão – Fred Luskin – O livro está esgotado, mas é possível encontrar em sebos virtuais como o www.estantevirtual.com.br e www.traca.com.br
2 – Aprenda a perdoar – June Hunt
3 – O perdão como caminho – Alberto Almeida
4 – Revista Vida Simples – Fevereiro/2015


sábado, 14 de março de 2015

2/2015



12.
Morris Hirshfield
Testo di William Saroyan
Presentazione di Sidney Janis
Contributo di Oto Bihalji-Merin
Franco Maria Ricci 
Parma, 1975

13. 
John Donne
Elegias Amorosas
Tradução Helena Barbas
Edição Bilíngue 
Assírio & Alvim

14. 
Lucio Fontana
Manifesto Bianco (1946)
Edizione Henry Beyle
Milano, 2014

15.
Umberto Eco
Numero Zero 
Bompiani 

16.
John Donne
Poesie Amorose
Poesie Teologiche
A cura di Cristina Campo
Giulio Einaudi Editore 

17.
Cento Haiku 
A cura di Irene Iarocci
Presentazione di Andrea Zanzotto
Ugo Guanda Editore, Parma 2013

18. 
Apuleio
Amore e Psiche 
Traduzione Massimo Bontempelli
Sellerio Editore, Palermo

19.
Haiku
Il fiore della poesia giapponese da Bashō all'Ottocento
a cura di Elena Dal Pra Mondadori

20.
Altan
Colpi di Coda
Gallucci Editore

21.
Mimmo Paladino
Nuovi Dipinti 2008-2011
Con un saggio di Richard Milazzo
Galleria Mazzoli Editore- Modena

22.
Mimmo Paladino
72 x 103
Galleria Mazzoli Editore - Modena