Seguidores

terça-feira, 23 de setembro de 2014

FOLHA DE OUTONO - PARTE 1 - HOMENAGEM A SCINTILLA




Era uma vez uma folha de outono que flutuava pelo parque de Brasília.
As vezes parava em cima de de uma árvore, e ficava bem tranquila observando
os pedestres, mas quando parava no chão tinha que ficar atenta aos varredores.
Tinha um desejo:  Parar em qualquer lugar e não ser incomodada. 
Para se mover  tinha sempre que pedir ajuda ao Vento, e as vezes 
ele estava almoçando ou escovando os dentes. 
Tinha que esperar o Vento acabar o que estava fazendo e torcer para 
não terem passado por cima dela. 
Vida difícil essa !
Assim ela sobrevivia, ao sabor do vento !

5 comentários:

  1. EMOCIONADA... Ao sabor do vento...

    Abraços.

    P.S.: Manoel, que apesar de não ser Bandeira, me impressionou. Continue a me indicar leituras. Achei os textos lúcidos... encorpados.

    ResponderExcluir
  2. E vários foram os outonos em que folha tentou ser vento, poeira e sentimento. E na tentativa se ser o que nunca foi, reparou que a ausência do vento lhe tirava o movimento mas não a vida. Entendeu que era-lhe necessário o tempo, algumas arvores, diversos chãos para que retornasse a ser a folha de outono. E apesar de todas as primaveras, verões e invernos, folha continuava aguardando o seu outono, para esperar o vento. E entendeu que o vento era o único que lhe oportunizava ser, sem nenhum comprometimento. Seguindo seu caminho, seu instinto, folha segue ainda ao sabor do vento, embora somente em pensamento.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Adoro esse texto! Vez em quando leio, releio! Adoro, muito... relendo!

    ResponderExcluir