Seguidores

sexta-feira, 22 de abril de 2016

BRAULIO TAVARES

Foto Marco Coiatelli


O CASO DOS DEZ NEGRINHOS
(Romance Policial Brasileiro)


Dez negrinhos numa cela
e um deles já não se move.
Fugiram de manhã cedo,
mas eram nove.


Nove negrinhos fugindo
e um deles afoito,
dançou: cruzou com uma bala....
Correram oito.


Oito negrinhos trabalham
de revólver e canivete;
roupa cáqui vem chegando
fugiram sete.


Sete negrinhos passando
pela rua de vocês;
alguém chamou a polícia,
correram seis.


Seis negrinhos dão o balanço:
bolsa, anel, relógio, brinco....
Houve um erro na partilha,
sobraram cinco.


Cinco negrinhos de olho
na saída do teatro.
Um vacilou, deu bobeira...
Correram quatro.


Quatro negrinhos trombando,
todos quatro de uma vez.
Um deles a gente agarra,
mas fogem três.


Três negrinhos que batalham
feijão, farinha e arroz.
Um se deu mal ; a comida
dava pra dois.


Dois negrinhos se embebedam
de brahma, cachaça e rum.
Discussão, briga, navalha...
e fica um.


E um negrinho vem surgindo
no meio da multidão.
Por trás desse derradeiro...
vem um milhão.


O HOMEM ARTIFICIAL, pp.60-61

Um comentário:

  1. Publicado a primeira vez no Blog em 25 jan 2010.
    Segunda em 22 abril 2016

    ResponderExcluir